sábado, 7 de novembro de 2009

Espera a duvida de futuro passo livre necessário pra uma carência pessoal de identidades, de conhecimentos. Passos em buscas de perspectivas que enlouquecem o amanhecer nublado e cinzento de algumas manhãs não raras. Duvidas que pairam as certezas pronunciadas. Certezas sufocadas. É necessário ir a um lado que nunca foi tocado e ausentar o retorno, ou, dá possibilidade de acontecer. A muito tempo essas coisas não teimavam, agora, teimam impiedosamente. Se não me respondes e por que devo cancelar minha aventura e ser passivo até o fim do nada. No mais, previsões surgiram e o tempo esta se abrindo. Bons ventos tragam cores do seu cata-vento. 4 novas caras eu tenho quando girar.

segunda-feira, 27 de julho de 2009

não o que só compreende, mas o que te faz entender,
cultivar encharca-me o coração de sentidos qu'eu me afogo
afogo
afogo
mas, procuro a luz dentre o dilúvio

segunda-feira, 6 de julho de 2009

estou parado, só enchergo quatro planos, mas não dou conta,
transponho dois em dois e me complico mais ainda.
O itinerário apenas esta certo, não a tempo que o mude
Se calados, mutáveis, estaremos abaixo, por um esforço pouco menos apressado e descontinuo, com o muito que a longo prazo não deu em nada, ou na verdade, é o futuro desses sábios, pra nós todos.

sexta-feira, 3 de julho de 2009

e tudo desaparece

domingo, 10 de maio de 2009

Que saudade faz, e é estranho perceber a semelhança de um senil que olha pelo espelho tentando adivinhar o que é. É débil, acha ser mais novo do que sou, não percebe que sofre o tempo sem proveito. É imagem invertida, mas não me ganha os anos. Está fora do meu foco e do centro de curvas, desvio do olhar.
A vista é ampla, e necessita precisão de não encontrar-lho, velho sábio.